quarta-feira, 16 de novembro de 2016

Ruína financeira / Governo de Deus / Tolice da imoralidade


10) COMO EVITAR RUÍNA FINANCEIRA

                    Enquanto o jovem cresce mais e se prepara para entrar na força de trabalho onde ele vai ganhar seu sustento, lhe são dados alguns princípios úteis sobre como lidar com dinheiro. Nós nunca conhecemos um jovem que não quer ser bem sucedido, mas se é para ser assim, ele deve ter alguns princípios sólidos sobre a administração de dinheiro. Neste sexto capítulo, ele é advertido de três coisas que deve especificamente evitar, as quais poderiam levá-lo para uma ruína financeira.


EVITANDO A ARMADILHA DA FIANÇA DE DÍVIDA

                    "FILHO meu, se ficaste por fiador do teu companheiro, se deste a tua mão ao estranho, Enredaste-te com as palavras da tua boca: prendeste-te com as palavras da tua boca. Faze pois isto agora, filho meu, e livra-te, pois já caíste nas mãos do teu companheiro; vai, humilha-te, e importuna o teu companheiro. Livra-te como a gazela da mão do caçador, e como a ave da mão do passarinheiro" (Provérbios 6:1-5).
                    Em primeiro lugar, ele é instruído a se manter fora de dívidas - seja uma dívida pessoal ou responsável por uma dívida de outra pessoa. (A "fiança" é fazer-se responsável pela dívida de outra pessoa.) "Teu companheiro" nesta situação poderia ser o seu vizinho que quer que você se responsabilize com ele em alguma compra que ele quer fazer. O "estranho" seria uma empresa de empréstimos a qual você teria que se responsabilizar, por sua assinatura. Se o jovem tiver que entrar em tal situação, ele deve libertar-se o mais rápido possível. A lição aqui é muito clara: nunca se responsabilize pessoalmente por qualquer dívida, seja ela própria ou de outra pessoa.
                    Muitos têm chegado a uma ruína financeira, entrando na "armadilha do crédito". Uma das mais perigosas "armadilhas" é o cartão de crédito. Eu não estou dizendo que você não deva ter um, mas precisamos entender que os custos dos juros e penalidades podem aumentar muito mais rápido do que você pode imaginar. Cartões de crédito são úteis para conveniência e emergências, mas você tem que ter cuidado para evitar a armadilha do “dinheiro de plástico." É notável que todas as referências na Escritura com o pedir dinheiro emprestado são negativas! Muitas pessoas ficam em situações financeiras frágeis, apoiando-se no sistema de crédito deste mundo quando eles são jovens, e acabam tendo que trabalhar por muitos anos no futuro para se livrarem desses embaraços.


EVITE GASTAR TUDO QUE GANHA

                    Estreitamente relacionado com incorrer dívida é gastar tudo o que se ganha. Isso, é claro, não é aconselhável e demonstra uma grande falta de autocontrole. Para ensinar a lição de guardar o fruto do seu trabalho, o jovem é dirigido à formiga. "Vai ter com a formiga, ó preguiçoso: olha para os seus caminhos, e sê sábio. A qual, não tendo superior, nem oficial, nem dominador, Prepara no verão o seu pão: na sega ajunta o seu mantimento" (Provérbios 6:6-8). As duas marcas notáveis ​​da formiga são a diligência e a economia daquilo que ela tem obtido do seu trabalho. Há momentos em que ganhar dinheiro pode ser mais favorável (ou seja, "o verão" e "a sega"), e haverá momentos em que será mais difícil (inverno). A formiga trabalha duro nos bons tempos e economiza em vista dos outros tempos.
                    Não há nada de errado com o trabalho árduo, e a pessoa que tem essa característica certamente vai se dar bem na vida (Provérbios 22:29). Infelizmente, algumas pessoas são preguiçosas e não têm motivação para trabalhar. Parecem sempre ter uma boa desculpa para não irem trabalhar (Provérbios 26:13-16).
                    Há, no entanto, mais para o sucesso do que trabalhar duro. (there is, however, more to success than working hard) Uma segunda coisa que podemos aprender com a formiga é que precisamos guardar o produto do nosso trabalho. Isso significa que temos de ser econômicos e poupadores. A formiga não nos ensina a ajuntar riquezas para nós mesmos (Provérbios 23:4-5), mas que devemos ter algum bom senso no manejo do dinheiro que ganhamos. Haverá um meio termo feliz; Uma regra geral é ser econômico para com nós mesmos e generoso para com os outros (Ef 4:28, 2 Coríntios 9:7). O tolo, por outro lado, é extravagante. Ele gasta tudo o que ganha (Provérbios 21:20).

                    Para economizar dinheiro, é preciso auto-disciplina. O tempo para começar a exercer este tipo de auto-controle está na juventude. Muitas pessoas desperdiçam metade de sua vida antes de acordarem e começarem a poupar, mas, nesse momento, muito tempo precioso foi desperdiçado. Se uma pessoa economizar R$ 1,00 por dia (o dinheiro que você usa para comprar o seu refrigerante da tarde) a 8% de juros, ao longo de sua vida útil de aproximadamente 70 anos ele teriam R$ 1.190.012,00 - mais de um milhão de Reais! A realidade solene aqui é que se você já tem 20 anos, você perdeu 20 anos, e tem apenas 50 anos, se o Senhor não vier. Então, se poupar R$ 1,00 por dia por 50 anos a 8% de juros terá R$ 237.952,00. Essa é uma grande diferença! Se, no entanto, você economizar R$ 5,00 por dia (R$ 150,00 por mês) com juros de 6% ao longo de 50 anos, você terá R$ 1.949.762,00, quase dois milhões de Reais! E, ao economizar tão pouco quanto R$ 5,00 por dia, na maioria dos casos, uma pessoa ainda teria muito para usar para o Senhor e para outros (Gálatas 6:10). O nosso objetivo aqui não é incentivar a ganância e a cobiça nas pessoas, mas salientar a importância de se ter cuidado com nosso dinheiro. A mensagem óbvia é: quanto mais cedo começar, melhor.
                    O fato solene é que a falta dessas duas coisas (diligência e poupança) eventualmente traz pobreza - "Assim te sobreviverá a tua pobreza" (Provérbios 6:9-11).


EVITE O TRAPACEIRO

                    Ser enganado por um trapaceiro - "um homem de Belial" - é outra coisa que pode trazer uma pessoa à ruína financeira. Temos de ter cuidado em todos os nossos tratos com os homens deste mundo, seja nos negócios ou em nossas relações privadas. Ao jovem é dada uma descrição do caráter de tal pessoa que ele deve evitar (Provérbios 6:12-15). Assim como ele deve discernir o caráter de uma mulher má, ele deve saber como ler os indicadores do caráter de um homem mau. É claro nas Escrituras que não devemos nos tornar sócios nos negócios (apertar as mãos) com um incrédulo ou alguém que não está vivendo para agradar ao Senhor (2 Coríntios 6:14-17). Tais armadilhas podem nos levar a muita tristeza, e até mesmo a ruína financeira.
                    Outros sinais reveladores de tal pessoa são dados nos sete pecados fatais que marcam uma pessoa que não está andando com o Senhor (Provérbios 6:16-19).


11) A REALIDADE DO GOVERNO DE DEUS

                    As duas últimas lições têm a ver com a imoralidade sexual. A primeira enfatiza a realidade do julgamento governamental de Deus sentido na vida de alguém. Começa com o pai e a mãe clamando ao jovem que não deixe as coisas que lhe ensinaram. "Filho meu, guarda o mandamento de teu pai, e não deixes a lei de tua mãe" (Provérbios 6:20-23). Ele deve atar o que aprendeu ao seu "coração" e pendurar ao seu "pescoço", e eles o "manterão" no caminho (Provérbios 6:20-23).
                    Se abandonar os seus ensinos, ele é solenemente lembrado da inevitável ação do juízo governamental de Deus em sua vida. O encontro com uma "mulher má" e os pecados da fornicação e do adultério são mostrados como tendo repercussões na vida e alguém. "Tomará alguém fogo no seu seio, sem que os seus vestidos se queimem? Ou andará alguém sobre as brasas, sem que se queimem os seus pés? Assim será o que entrar à mulher do seu próximo: não ficará inocente todo aquele que a tocar" Prov. 6:27-29. A pessoa que comete adultério carece de sentido e destrói-se social, espiritual e moralmente, e talvez, até mesmo fisicamente (Provérbios 6:32).
                    A realidade é que "achará castigo e vilipêndio, e o seu opróbrio nunca se apagará" (Provérbios 6:33).


12) A TOLICE DA IMORALIDADE

                    A última lição enfoca a loucura da imoralidade. Ele é advertido das seduções do mal moral. Novamente, esta lição começa com uma exortação para manter as coisas que foram ensinadas até agora. "FILHO meu, guarda as minhas palavras, e esconde dentro de ti os meus mandamentos" (Provérbios 7:1-5). A lição de evitar a imoralidade e sua sedução deve ser aprendida com a proteção da casa de seus pais. Isso é visto no fato de que o jovem olha pela "janela", pelas "grades" da casa e observa um jovem tolo sendo seduzido por uma adúltera má - uma prostituta (Provérbios 7:6-10). O que precisamos saber sobre o mundo e seus caminhos perversos deve ser aprendido dentro da proteção da família. Isso mostra que não é preciso ir ao mundo para se aprender que o pecado não compensa. Este é um exemplo da "instrução da sabedoria" mencionada no capítulo 1:3, que tem a ver com a aquisição de conhecimento pela observação das experiências infelizes dos outros.
                    A tolice da imoralidade é retratada diante do filho. Começa com uma pessoa estando no lugar errado e na hora errada (Provérbios 7:7-9). Então segue um relato nítido do caminho da prostituta, e da vergonha que vem para aquele que é tomado por ela (Provérbios 7:10-27). À medida que o filho se prepara para sair de casa, ele fica com essa solene advertência do pecado de imoralidade marcado em sua mente.


O FILHO SAI DE CASA COM SABEDORIA
(CAPÍTULO 8)

                    Nos capítulos 1-7, vimos a Sabedoria apreciada; Agora nos capítulos 8-9 vemos a Sabedoria praticada pelo jovem. A expressão "Meu filho" não aparece mais nesta seção. As exortações paternas e maternas cessam, mas descobrimos que a Sabedoria que o jovem adquiriu valor permanece com ele. Neste capítulo ele é visto como tendo saído da casa de seu pai (onde teve a orientação e instrução de seus pais desde os primeiros dias) com a Sabedoria presa ao pescoço, guiando, aconselhando e mantendo-o no caminho. Que privilégio ele teve crescendo em uma casa piedosa com pais que amam e cuidam dele e que o instruíram. Eles procuraram supri-lo com tudo o que ele precisaria para a vida, em coisas que são morais, espirituais e temporais. Da mesma forma, chega um momento em que todo jovem deixa a casa de seus pais para tomar seu caminho na vida (Provérbios 8:1-21).

                    O tempo de provas para este jovem chegou. Ele é visto nas "encruzilhadas" da vida. Uma encruzilhada é o lugar da decisão. O viajante deve decidir qual caminho tomar. Mas a Sabedoria que ele aprendeu está lá com ele ajudando-o a fazer as escolhas certas! Nota: as mesmas coisas que foram prometidas no começo do livro (capítulo 1:2-4) são vistas com o jovem aqui neste capítulo! As dez coisas mencionadas no capítulo um - "sabedoria", "instrução", "entendimento", etc. estão todas aqui - exceto "equidade" e "discrição". (Parece que a "equidade", que tem a ver com os princípios de entendimento e a "discrição", que está relacionada à aplicação cuidadosa dos princípios, são coisas que só vêm com a experiência, de modo que dificilmente poderiam estar com ele nesse tempo de sua vida.)

                    A sabedoria está no gênero feminino nesta parte, talvez implicando que devemos sustentar a verdade em nossas afeições (Provérbios 7:4, Sl 119:11).


A SABEDORIA É O SENHOR PERSONIFICADO

                    Na última parte do capítulo 8, o véu é levantado para indicar que a Sabedoria é o Senhor Jesus Cristo pré-encarnado - antes de Ele se tornar um Homem. O Novo Testamento afirma isso, referindo-se a Ele como a Sabedoria de Deus (1 Coríntios 1:24, 30). Nesta passagem, várias expressões são usadas para indicar as glórias do Cristo pré-encarnado:

o    "O Senhor Me possuiu no princípio de seus caminhos, e antes de Suas obras mais antigas" (Provérbios 8:22). Esta é uma referência ao relacionamento eterno de Cristo com Deus como o Filho (Salmos 2:7). A palavra "possuiu" é usada em outros lugares para o relacionamento de Jeová com os filhos de Israel como Pai, mas não no sentido Cristão (Deuteronômio 32:6; Isaías 63:16; 64:8).

o    "Desde a eternidade Fui ungida, desde o princípio" (Provérbios 8:23) Isto fala de Seu ofício como Messias ( "o Cristo" - João 1:41) sendo desde a eternidade.

o    "Antes de haver abismos, Fui gerada" (Provérbios 8:24-27). Isso fala da distinção de Cristo na Divindade sendo uma Pessoa distinta desde a eternidade.

o    "Quando firmava as nuvens de cima, quando fortificava as fontes do abismo; Quando punha ao mar o seu termo, para que as águas não trespassassem o seu mando; quando compunha os fundamentos da terra; Então eu estava com Ele e era Seu Aluno (Mestre Trabalhador)" Isso fala da criação de Cristo (Provérbios 8:28-30a, João 1:3, Colossenses 1:6, Hebreus 1:2).

o    "E era cada dia as suas delícias, folgando perante Ele" (Prov. 8:30b). Isso fala de Ele sendo o objeto eterno do coração de Seu Pai (Jo 1:14,18; 17,24).

                    Os versículos finais do capítulo resumem as afirmações anteriores: se uma pessoa caminha com a Sabedoria (Cristo), ela será "abençoada", encontrando o verdadeiro significado da "vida". Mas aquele que peca "violentará a sua própria alma" (Provérbios 8:32-36).


A SABEDORIA AJUDA O JOVEM A CONSTRUIR SUA PRÓPRIA CASA
(CAPÍTULO 9)

                    "Sabedoria" neste capítulo muda do singular para o plural no hebraico original. Isso implica, talvez, que o jovem encontrou alguém com quem pode construir sua casa. Parece que agora existe um marido e uma esposa trabalhando juntos com a Sabedoria, construindo a sua casa. Eles são um com Sabedoria em propósito - tanto que eles não são mencionados diretamente. "o cordão de três dobras não se quebra tão depressa" (Ecl. 4:12). Enquanto a Sabedoria os ajuda a construir sua casa, a Sabedoria não é vista como a cabeça do lar; Esse é o papel do homem (Efésios 5:23). Cristo nunca é dito ser o cabeça da casa de uma família Cristão.
                    A primeira coisa que notamos é que a casa que a Sabedoria constrói tem "sete pilares" (Provérbios 9:1). Isto indicaria que é um lar firme. O Sr. Hayhoe sugeriu as sete coisas que seriam pilares de uma casa firme:

o    Ambos os pais conhecem Cristo como seu Salvador (Atos 16:31).
o    O Senhorio de Cristo é reconhecido em suas vidas (1 Coríntios 7:39).
o    A ordem de Deus quanto à liderança é mantida (1 Coríntios 11:3).
o    A leitura da Palavra e a oração são práticas regulares (1 Pedro 3:7).
o    Existe amor mútuo e respeito entre marido e mulher (Efésios 5:22-30, 1 Coríntios 7:3-5).
o    Há comunicação (1 Pedro 3:7).
o    Há tolerância e perdão (Efésios 4:2, 32).

                    A segunda coisa que caracteriza esta casa é que ela "já sacrificou as suas vítimas" (Provérbios 9:2). Isto fala da casa estando cheia com a fragrância de Cristo e Seu grande sacrifício. O aspecto do sacrifício de Cristo aqui não é tanto Sua expiação, mas a Sua disposição de dar Sua vida por nós (1 João 3:16). Esse mesmo sacrifício próprio caracteriza esse lar.
                    Em terceiro lugar, diz que ela: "misturou o seu vinho" (Provérbios 9:2). O vinho é uma figura de alegria (Salmo 104:15, Jz 9:13, Lucas 10:34). Isso significa que é uma casa feliz.
                    Uma quarta coisa é que ela: "já preparou a sua mesa" (Provérbios 9:2). Um prepara uma mesa com comida. Cristo é o alimento espiritual de Seu povo (João 6:54-58). É uma casa onde há comida espiritual.
                    A quinta coisa que distingue esta casa é a hospitalidade. "Já deu ordens às suas criadas, já anda convidando desde as alturas da cidade, dizendo: Quem é simples, volte-se para aqui. Aos faltos de entendimento diz: Vinde, comei do meu pão, e bebei do vinho que tenho misturado"(Provérbios 9:3-5). Esta casa está aberta para aqueles que querem a verdade. É usada para promover as coisas de Cristo e para a edificação do povo do Senhor. Da mesma forma, nossas casas devem ser para o apoio do testemunho Cristão (1 Cor. 16:15-16).
                    Uma sexta coisa que caracteriza esta casa é a separação do mundo. "Deixai os insensatos, e vivei; e andai pelo caminho do entendimento" (Provérbios 9:6). Esta casa não está aberta para o "tolo", o "mau" e o "escarnecedor".
                    Por fim, a casa que a Sabedoria constrói é marcada pelo "temor do Senhor". Há um respeito solene ao temor de Deus e um desejo de agradá-Lo (1 Pedro 1:17). Dias felizes e produtivos são prometidos para aqueles desta família que vivem em Seu temor (Provérbios 9:10-12).
                    O capítulo termina com um contraste extraordinário, descrevendo a casa que "a mulher louca (tola)" constrói (Provérbios 9:13-18). Está cheia de imoralidade e maldade. Sua família é afligida pelo pecado e pela tristeza. Ela permanece como um testamento da loucura de desconsiderar a Sabedoria. É marcada por qualquer coisa menos a felicidade e a bênção de Deus. O capítulo começa e termina com a chamada para se alimentar, mas que diferença!

                    Assim, nesta seção (capítulos 1-9) temos um ciclo completo de vida de um israelita temente a Deus. Um pai e uma mãe piedosos criando seu filho (isto é, a geração seguinte) para o Senhor, e ele, por sua vez, sai e cria sua família para o Senhor (Provérbios 13:22).